EMD Cast #100: Internautas

Em mais um cast Off Topic, a galeriuds do EMD entra em uma conversa sobre a galera da internet.

 -> PODCAST <-

Lembrando que recomendamos que baixem nossos podcasts.

Para fazer o DOWNLOAD e/ou ESCUTAR ONLINE:

EMD Cast #100_ Internautas.mp3

106 pensamentos sobre “EMD Cast #100: Internautas

  1. Curti esse cast, achei legal ver que vocês tão saindo fora do usual mas não concordei com essa coisa de que quando “alguém” não utiliza sua própria foto ou até mesmo o nome verdadeiro em algum fórum ou algo do tipo ela esta sendo covarde e outros desses adjetivos pejorativos até por que que ninguém tem a obrigação de expor a própria imagem para milhares de outras pessoas que nunca se teve contato algum.Assim como concordo que quando “algúem” cria uma conta no facebook ela deve utilizar uma foto de perfil com o seu rosto e usar o seu nome verdadeiro, (apesar disso contradizer o que eu citei antes) já que que a conta é criada com o intuito de “socializar” com outras pessoas conhecidas e desconhecidas então não a nada a temer.

    Eu sei que esse texto ficou meio confuso e repetitivo mas espero que vocês o entendam.
    E por ultimo,
    Jéssica, posta a fota aê!

    • Concordo contigo e não, não está contraditório. A pessoa quando vai participar de um forum ela não vai com o propósito de fazer novos amigos, porque forums são específicos, ela vai no forum de One Piece, pra falar de One Piece, apenas, ela não tem por obrigação moral de botar uma porra de uma foto ou seu nome verdadeiro, a obrigação dela nesse forum é conhecer a obra. E ponto. O resto é irrelevante quanto ao forum. Mas no Facebook sim, concordo 100%. Se tu cria o negócio e não quer se expor, porque criou? Se o intuito do site é esse? Bobagem.

      Mas acredito que tem um porem na primeira situação, quando a pessoa não bota uma porra de uma foto, e fala da aparência de outras pessoas, aí amigo, dou toda a razão. Essa pessoa não tem o mínimo direito de expressar esse tipo de opinião, tipo a Jéssica chamando o Trilles de gordo. rs

    • Que nada. Concordo com você e com o Rafael, e não coloquem isso como opinião do grupo em geral. Não sei se estou certo, mas, se não me engano, essa opinião é do Lucas. Particularmente, achei uma bobeira aquela briguinha entre ele e o Ever, por exemplo. Mesmo ele estando certo em maioria, colocar uma foto ou não é opção quando você faz parte de um fórum.
      Embora eu ache ridículo ficar usando fotinho de Madara (foto do Ever) no avatar, ele não perde moral por usá-la. E muitas pessoas – entrando no assunto dos trolls e tal – usam muitos avatares de palhaçada pra aparecer. Não sei se isso ficou claro no cast, até porque o gravei enquanto jogava, mas concordo que o uso de uma foto só é necessário em uma rede de socialização. Aliás, chegamos perto disso quando falamos que não exigíamos que a Jéssica saísse mostrando a foto dela, mas que nem no Skype ela colocava.

  2. Quando uma pessoa não usa uma foto própria, mas adiciona algo para as discussões usando argumentos é uma coisa, mas ficar dando hate aleatório e ser um pseudo-hater atrás de um nickname é muito fácil, difícil é expressar sua opinião em forma de uma crítica construtiva. As vezes você consegue perceber que a pessoa é tão insegura, mas tão insegura, que precisa colocar a foto de uma pessoa famosa para poder se sentir alguém, ou mesmo criar fakes e sair falando merda. O cara tem o direito de achar o que ele quiser de vocês, e falar o que ele quiser, mas no lugar certo, e da maneira certa. Custa mandar um e-mail com críticas construtivas? sim, custa, mas não custa espalhar aos quatro ventos sua opinião. Engraçado né?
    #posta #foto #jéssica #sabemos #que #você #é #linda

    • Já defendendo o Lucas agora, também concordo com você. Usar fotos em fóruns é opção, mas quando a pessoa nos demonstra ser um ignorante, que nem nos criticar sabe, e que mais quer aparecer, perdendo tempo vindo em nosso site semanalmente pra falar mal de nós (como o Ever estava fazendo) e, para piorar, usando um nick e avatar, fica claro que ela pode estar apenas trollando, ou que, em certos casos, chega a um nível de xingamentos e críticas pejorativas que qualquer pessoa comum teria vergonha de ser vista fazendo, mas se esconde pelo avatar.

  3. Eu não consegui ouvir o podcast sem me irritar profundamente, não pelo conteúdo dele, mas sim porque eu estava jogando um joguinho que os caras do meu curso me falaram para jogar, Syobon Action, que é um joguinho japonês.
    Agora sobre a internet mesmo, é a geração atual que está mais ignorante, infelizmente. Acredito que vocês sabem o que era a trollagem na internet, de início, era de única, e pura, intenção cômica, tirinhas, lolcats,etc. Tudo trollagem, que é bem diferente desses “Trolls” da internet de hoje. Na real, se não fosse verdade, o início desse meu comentário seria uma “trollagem”, mas eu realmente me irritei com aquela budega.

    • Ah sim, eu não via motivos reais da Jéssica colocar a foto aqui, mas com a ideia da página de Staff do Trilles, surgiu um bom motivo. E também, participe de mais casts, Jéssica, porque toda semana só tem macho aí.

  4. Opa, fui notificado que éramos citados e vim aqui conferir.

    Poxa, o M² não é tão impessoal assim, vai. Talvez seja impressão dos poucos programas que ouviu, mas cada tema que tratamos tem mil caminhos possíveis para serem seguidos, e escolhemos sempre o que achamos relevante e que mais nos agrada, e isso por si só já é uma representação da presença da nossa opinião no que falamos. Fora que os muitos exemplos citados sempre permeiam nossos gostos, mas enfim. Mesmo que não tivesse opinião, não quer dizer que o conteúdo é menos válido, afinal.
    E sobre o tamanho do programa, é aquela coisa: poder de síntese e quebra de um mesmo tema em vários temas menores. Maior foco num menor conteúdo por vez, ajuda a não falarmos “correndo” de nada que queremos discorrer. No final, são só pontos de vista diferentes de como abordar o tema, como citaram.

    E relaxa, não tem indireta não. Tem uma brincadeira rápida no programa de Moe sobre a questão do “traço”, mas que me lembro ficou só nisso. Qualquer outra “indireta” que identifiquem é “carapuça servindo”, podem ficar tranquilos. Até porque, precisaria acompanhar mais vocês pra saber sobre o que fazer indireta.

    Por fim, gostei do fundo do blog. Não sei se teve inspiração no do Mangatologia, mas de qualquer forma agora percebo que é mais fácil fazer composição de personagens com um fundo preto do que amarelado.

    • Toda manifestação de opinião de alguém sobre um assunto já é pessoal. Mas, como comentamos, achamos o seu conteúdo “pouco pessoal”, e como você mesmo disse, são apenas abordagens diferentes.

      O cast que citou nem ouvimos, mas acho que inconscientemente (ou não) fizeram uma ou duas citações a discussões que tivemos. Ou seria com outro grupo? Ou apenas minha imaginação? Enfim, internet tem essas complicações, mas não teve situação alguma de carapuça servindo, pois não foram comentários pejorativos nem nada do tipo, mas apenas citações de discordâncias.

      E sobre o fundo, obrigado. Foi um trabalho em conjunto. É impossível negar que fomos influenciados pelo seu site, mas por muitos outros também. E discordo da última frase. Acho que todo o fundo do seu site funciona para um conteúdo mais leve, pois, querendo ou não, apresentamos algo mais “pesado”, eu acho.

      Agora, diz ae: e aquele e-mail que lhe mandei sobre um cast em conjunto? O pessoal tá pedindo, e não posso negar que gostaria de fazer isso.

      • Olha, pensando por esse prisma, pode ser que citamos indiretamente. Na real, qualquer tema que tratamos vem da vivência que vem principalmente de conversas pessoais, conversas via twitter, ou fóruns como o MangaHelpers ou algumas comunidades de orkut. Se a opinião de vocês converge com alguma que presenciamos nesses locais, aí vai parecer que foi indireta mesmo. Há tanta gente falando tanta coisa na internet, que muitas visões de determinados temas se repetem, afinal. Não foi nada intencional, isso que achei bom deixar claro.

        Sobre o email, ele tá agendado pra discutirmos pessoalmente na próxima gravação que fizermos. Estou às portas de uma viagem, naquela correria de preparação de malas e edição adiantada de podcasts, então mal consigo coincidir com o Judeu online. Se não responder ainda esta semana, deve ser no máximo na outra. O Primo sabe que eu tardo pra responder, mas respondo!

    • Vocês estão sendo contraditórios, dizem que os trolls não têm vida vida off e querem ser aceitos online, por isso que se importam tanto com suas aparências em on, mas vocês mesmos estão aqui em on, querendo ser influentes, querendo ser aceitos como críticos de mangás, querendo que suas opiniões influenciem todo mundo, querendo falar mal de arte e enredo, quando que, em off, não sabem desenhar o Batman sentado na laje. E o outro, degustador de cerveja?, o que isso adiciona para o a Humanidade? Vocês não são diferentes dos trolls, nenhum de vocês está adicionando nada para a internet. Crítica especializada? Pfff…

      • Pois é, se você acha ruim, não tem problema, mas assim como você criticou o EMD, eles também podem fazer críticas sobre o que quiserem, além de que, como o Lucas comentou acima, todos podem colocar suas críticas, gostos e outras coisas os na internet, sendo que nem todos precisam concordar.

      • Não sei se você entende muito sobre crítica, mas como um bom escritor e crítico dessa blogsfera brasileira de mangas chamado Vaca disse em um ótimo texto, “a crítica é mais importante para o crítico do que para seus leitores”. Não estamos aqui para aparecer. Nós fazemos críticas para aprimorar nosso próprio conhecimento. Ela lhe abre as portas para pensamentos que você antes não tinha. Lhe leva a entender coisas que antes não entendia. E junto a nós, que aprendemos com nossas próprias críticas, nosso leitores vêm junto, aprendendo e conhecendo cada vez mais.

        Um dia no Facebook o Primo, membro do grupo, me caracterizou com uma frase simples: “Você parece estar sempre em busca de conhecimento.”
        O que queremos é aprender e tirar conclusões com nossos aprendizados, mais e mais, assim como nossos leitores.

        Acho que somos importantes sim, assim como vários outros blogs por aí afora, pois formamos opiniões, querendo ou não. Agora, trolls como você, que mais querem nos xingar e falar mal do nosso trabalho sem ao menos apresentar argumentos de peso; esses sim, não acrescentam coisa alguma.
        Minto: até acrescentam, pois foi por sua causa que fiz este comentário, e com ele, muitos aprenderam muito sobre crítica e sobre o nosso grupo e nossos objetivos (eu espero).

        No mais, obrigado pelo comentário. E por favor, pare de tentar falar mal sem objetivos nem argumentos, como tentou criticar o desenho do Lucas.
        Até.

  5. Foi bem interessante este cast, pois foge um pouco do foco principal do site, que são as review, e acaba mostrando um pouco mais das opiniões dos integrantes sobre os mais variados assuntos.

    Bem, agora preciso falar sobre a citação do Trilles ao final do cast: “Porra, a arte não é importante, então vai ler Helter Skelter, filha da puta!!”. Admito que fiquei bastante surpreso com a citação deste mangá, e gostaria de dissertar um pouco sobre o mesmo, pois é um mangá que tenho um carinho todo especial, pois foi o primeiro projeto concluído do meu scanlator, além de considerá-lo um excelente josei psicológico.

    Bem, penso que a arte em um mangá terá um peso diferente para cada pessoa, a depender da visão que você tem sobre a mesma, e o que ela representa para o todo de uma determinada obra. Como fora citado, se a arte não se encaixa com pano de fundo da obra, tudo pode acabar indo por água abaixo. Quem costuma ler joseis, sabe da má fama que o estilo tem com relação a arte que é encontrada em boa parte desse gênero, pois muitas das mangakás preferem seguir um estilo mais “jogado”, pois geralmente o foco nessas obras é a história. Tendo em vista isso, eu costumo não tentar comparar a arte deste estilo com a de um seinen, ou um shoujo, pois são gêneros com características tocantes à arte bem distintas, e que acabam por caracterizar o gênero.

    Sei que muitos podem acabar se afastando de Helter Skelter, e de River’s Edge, por conseguinte, devido a sua arte peculiar, e que pode ser considerada péssima pelos críticos mais ferrenhos no tocante a este aspecto, então a obra acaba caindo mais no gosto daqueles que são mais “desapegados” nesse quesito. Contudo, não é por isso que a pessoa vai considerar que qualquer obra com arte ruim terá uma arte ótima, por conta disso. Mesmo eu gostando bastante do estilo único da Okazaki Kyoko, e considerá-lo único, devo concordar que ele não é fantástico, mas que funciona de modo excelente em suas obras, especialmente por elas costumarem se aprofundar mais no caráter psicológico, mas abstrato. Gostar da arte de um determinado autor, mesmo ela sendo ruim, não quer dizer que isso levará a pessoa a gostar da arte de todos os autores. Mesmo me atendo mais a história de um mangá do que propriamente à sua arte, isso não implica que eu também vá amar com afinco os cenários extremamente geológicos e pedregosos de Naruto, ou a ausência de cenários do rei do fundo branco (sem duplo sentido! lol), Kubo, e seu Bleach.
    Procuro ver o que o cenário adiciona à obra, e adoro ler obras com artes ótimas, como One Piece, assim como os seinens excelentes do mestre Urasawa e obras de tantos outros excelentes mangakás.

    Agora, voltando a Helter Skelter, e aos mangás do início da carreira de Okazaki Kyoko, que datam a segunda metade da década de 1980, há de se perceber que a arte da autora melhorou bastante desde suas primeiras obras até Helter Skelter, de 1996. Entretanto, não tenho como dizer como a arte dela está hoje em dia, já que é praticamente impossível de se achar raws de seus outros mangás na internet. Uma coisa também que me deixa bem curioso é saber como está sendo corrigida a arte de Helter Skelter, já que a autora foi atropelada por um carro um pouco antes de concluir a obra, o que acabou levando o encadernado a ser publicado com pouquíssimas correções, já que ela ficou imcapacitada de desenhar e tem trabalhado até hoje em sua reabilitação, e voltando a desenhar somente no início dos anos 2000. Há cerca de dois ou três anos foi anunciado que ela estaria fazendo as devidas correções, e que depois seria relançado o mangá, então fica a expectativa (da minha parte) para ver como ficará, pois não sei o quanto o traço dela mudou atualmente. De todo modo, a arte dela funciona muito bem em suas obras, sei que poderia ser diferente, mas não tenho do que reclamar.
    Esse fim de semana assisti com minha namorada ao filme que adapta a obra, e esta adaptação só me fez confirmar ainda mais a genialidade da autora quando criou o enredo desta obra, simplesmente uma das melhores adaptações de mangá para filme que já vi.

    Reitero que não estou defendendo a autora ou a obra aqui com o intuito de querer convencer quem quer que seja a ler a obra, pois se a arte não lhe desce, não importa se a história é ótima ou não, pois a pessoa não conseguirá se identificar com a história e perceber suas nuances e críticas sociais, pois a atenção estará completamente voltada para o aspecto da arte.

  6. Achei que era brincadeira, mas vocês realmente colocaram o Gutinho falando “sou foda” no cast.

    Ficou muito bom o cast e foi um tema bem interessante de ser abordado.

    Vocês conhecem esses mangas Team Medical Dragon, Master Keaton, Whistle?
    Vocês também conhecem esses mangakas Jiro Matsumoto e Kaiji Kawaguchi?

    Eu estava no MAL procurando alguns mangas para ler acabei encontrando esses.

    • “Conheço” o Jiro Matsumoto. E conheço a obra Master Keaton, mas ela não está muito bem traduzida de qualquer forma, então não tenho uma opinião fechada.
      Me interessei bastante por Team Medical Dragon. Será este o segundo seinen com ecchi bem falado aqui no site? Veremos. =D

  7. Acho que esse foi o único podcast que concordei com basicamente 99% do que foi dito. Tirando a questão da necessidade de se colocar uma foto e se identificar, como o Lucas disse. Penso que se a pessoa possui argumentos sólidos, é irrelevante ele se identificar ou não.

    Como a Jessica disse, a questão das abreviações me irritam pra caralho. Cheguei a ver pessoas usando “k” ao invés de “ok”, PORQUE ? Porque se abster de somente 1 letra ? Porque ?
    Assim como o uso errôneo ou não uso do infinito. Ex : “Hoje vou joga dota.” JogaRRR… Jovem, é tão difícil assim ?

    E pode parecer sexista, todavia, como o Léo disse, também gostaria de ouvir mais a Jessica em outros podcasts. Acredito que uma voz feminina suaviza e torna mais aprazível o ambiente, ajuda a harmonizar. Acho que por questão de ser homem, é interessante saber o ponto de vista de uma mulher em determinada obra.

    Não lembro aonde vi, mas se não me engano, vocês são ateus(pelo menos o Estupratom). Acho que seria válido e interessante um podcast abrangendo religião/ateísmo nas obras.

    Mas me diz aí, Trilles(Percebi que era Trilles hoje, sempre achei que fosse “Thrillers”, o nome tem algo relacionado com o Michael Jackson?), pretende fazer um review de Ghost in The Shell ? Pessoalmente, é o que eu mais apreciaria ver. Pelo alto nível de complexidade, gostaria MUITO mesmo de ouvir suas críticas sobre a obra.

    • Só o Estupratom é ateu, eu sou agnóstico, o Lucas católico, e o resto não sei. Religião é algo muito difícil de se abordar sem deixar muita gente chateado. Acho complicado montar um cast do assunto, mas faremos um.

      Trilles é meu sobrenome. Mas relaxe, pois já cansei de ouvir piadas com o MJ.
      Sobre Ghost in the Shell, terei que rever, mas terá uma review no futuro.

      • Recomendo-vos a não fazerem um podcast sobre religião,pois a possibilidade de ser danoso a alguém é demasiadamente grande e sabendo que este mesmo assunto (em todos os períodos históricos) é um dos principais agentes catalizadores da guerra,dentre outros eventos cuja a barbárie impera,tendo dito isto novamente lhes recomendo que não produzam este cast,pois como disse este é um tereno assaz perigoso.

      • Entendo que seja complicado, afinal, é um assunto delicado. Já que há uma variedade de crenças no grupo, vocês poderiam fazer tipo um debate, expondo seus pontos de vista e porque concorda e discorda de determinado assunto.

        Eu discordo totalmente de você, Jonathan. Você parte da premissa de que discutir religião gera caos. Então, lhe pergunto, devemos engolir tudo que for imposto calado ? Não é porque um assunto é erroneamente considerado um tabu pela sociedade que devemos ignorá-lo. Este tipo de pensamento não passa de sofisma para ignorância, nos levando a inércia. Por causa da famosa frase “Religião e política não se discute” que muita merda está acontecendo. Óbvio que deve ser tratado com meticulosidade, e, não vilipendiando a crença alheia, acho válido. Acredito que tudo, absolutamente tudo, sem exceções, deva ser discutido, pois, é da divergência de ideias que surge a luz.

        • Nós poderíamos sim fazer um cast conversando sobre religião, mas de forma alguma julgando ou criticando. Diversas vezes nós do EMD conversamos sobre o assunto nos bastidores, eu e o Estupra já conversamos sobre o assunto algumas vezes, sem nos exaltar e sem agredir um ao outro, mesmo tendo pontos de vista diferentes, mas isso vem do fato de nos conhecermos, assim conseguimos conversar e saber que não estamos querendo ofender um ao outro.
          Poderíamos cada um falar sobre nossos pontos de vista, e falar sobre o assunto e até fazer algumas brincadeiras, o problema é que essa discussão pode afetar alguns ouvintes, religião é um assunto muito delicado, e nem todos estão abertos a escutar determinados pontos sobre o assunto, e fazer um cast onde não ultrapassamos esse limite, e onde qualquer pessoa poderia escutar é que é difícil.
          Um dia tentaremos fazer um cast sobre o assunto, mas por respeito aos ouvintes será algo feito com cuidado, então não esperem que esse cast seja feito rapidamente.

      • Eu concordo totalmente com essa sua frase Dudu:”Acredito que tudo, absolutamente tudo, sem exceções, deva ser discutido, pois, é da divergência de ideias que surge a luz” tendo dito isso a minha resposta para sua pergunta é nunca devemos aceitar nada que nos imponham coisas em silencio.

      • Caso o pessoal do EMD for assistir a série animada Ghost in the Shell: Stand Alone Complex,eu gostaria de deixar uma coisa avisada:

        Em ambas as temporadas,há uma divisão de episódios.
        Na 1ª temporada,os “Stand Alone Episodes” são histórias individuais e os “Complex Episodes” são do main plot.
        Na 2ª temporada (ainda não acabei a primeira),fui informado de que os episódios se dividem em :”Dividual” pros episódios fora do main plot, “Individual” pros episódios do main plot e “Dual” para episódios de um outro arco,secundário e menor.

        Não sei se estavam sabendo dessa divisão,mas é sempre bom avisar pra galera não ficar perdida.
        Eu estou achando a série animada melhor que os filmes,por enquanto recomendo que vocês a assistam.

    • Lucas, era exatamente isso que eu queria dizer. Uma discussão saudável, ninguém precisa ofender ninguém, apenas uma conversa expondo seus pontos de vista. Ficarei no aguardo.

      Jonathan, não estou captando muito bem sua linha de raciocínio. Você concorda comigo mas discorda de debaterem crenças religiosas ? Destoa.

      • É que eu sou uma lesma para digitar,acho que deveria ter o cast no entanto acho que devia ser feito por robôs (não tendo emoção tampouco opinião pessoal apenas dados históricos e psicológicos)

    • Completando o cometário acima,eu acho que um podcast sobre religião,todavia tem certos assuntos que devem ser tratados com impessoalidade e sobre uma ótica objetiva (pois assim é possível fazer uma linha temporal explicando conceitos psicológicos,sociológicos… que a religião tem alem de na própria “linha” poder explicar todas as semelhanças e divergências que religiões possuem)

      • Discordo de você. Por mais impessoal que seja, tratar desse assunto objetivamente vai gerar discussão, mesmo sendo imparcial, a zona de guerra seria nos comentários. Você tem que lembrar que muitos, só por discordarem, tentam “apunhalar” sem argumento algum.

        Eu não recomendo isso para o site(podcast sobre religião), sério mesmo, pois é algo muito complexo para se tratar tão abertamente, sendo que uma simples discordância pode se tornar uma “Crusada”. Discordo desse comentário do Jonathan, mas concordo que vocês não deviam fazer o podcast, pois vocês tentam ser mais objetivos.

  8. Muito bom esse cast.
    E nada melhor do que ver nos comentarios desse cast exemplos claros dos tipinhos comentados no cast.
    A unica coisa que eu lamento, é que minha internet é tão ruim que nao foi possivel baixar o cast sem dar erros, e ver no box sem travar e eu ter que por e tirar diversas vezes até ouvir tudo.
    E agora que ouvi o podcast inteiro , reparei o quanto é desnecessario digitar “eh” invés de “é”, mas quando vc pega costume com algo, eu por exemplo quando vou fazer um programa em “C” nao posso por acentos, e na linguagem de programação costumasse por o “h” depois do “e”, (pelo menos em Automação :] ), mas tbm acho desnecessario se incomodar com certas abreviações, mas coisas como trocar “vc” por “vs” ou fazer que nem criança “coloooocanndo variiiass vezes a messma letra ” realmente é incomodo, mas parabéns pelo cast.
    Mas me diz uma coisa, que agora fiquei curioso, com o fim do ranking e com um apelo maior pelos podcasts, o numero de visualizações aumentou bastante?

    • Cara, no meu curso de programação de jogos está sendo explicado um pouco da linguagem C#(estou entrando agora nessa área), mas pelo que eu aprendi até agora, que é muito pouco, se usa {(“/x82”):} para “é”, não é isso?

      • Cara, na área que eu estou , não se usa isso, afinal automação industrial é uma area na qual quanto mais simples for a maneira de fazer alguma coisa, melhor é. Colocar “eh”, ou colocar {(“\x82″);}, sempre aprendemos a ir pelo caminho mais rápido que acaba sendo o econômico,meus professores da faculdade, inclusive, utilizam o “eh”ou qualquer subistituição pra acento, mas acredito que em outras areas como pra games nao seja o maior foco a praticidade assim como a importancia do numero de linhas que o programa vai ter e tals. E como uso isso aula apos aula, peguei o costume de usar isso pra qualquer coisa, qualquer dia ponho isso numa prova o “eh” ou qualquer outra substituição pra acentos.

      • Não vai errar na prova, por favor. kkkkkkk
        Mas sim, em games utilizamos engines bem específicas para o game na maioria das vezes, utilizando programação em C# só para scripts de animações e outras coisas assim, mas é possível sim(segundo meu professor) programar e animar um jogo inteiro por C#, mais é demais pára mim. kkkkkkkkkk

      • Você deve usar alguma função que determina que “eh = é”, porque tentei substituir “\x82” por “eh” e não deu certo, vou colocar um exemplo simples(até porque eu não tenho alto conhecimento nisso):

        Nesse .exe apareceu: é
        #include
        #include
        int main(void)
        {printf(“\x82\n\n”);
        system(“PAUSE”);}

        Mas nesse apareceu: eh
        #include
        #include
        int main(void)
        {printf(“eh\n\n”);
        system(“PAUSE”);}

        Obs: Eu compilei e executei utilizando o Dev-C++, mas não creio que seja esse o impecílio.🙂

    • sim … vou aproveitar o tema d digitaçao e “internetes” e vou lançar aki a minha visao …

      Sim, como vcs podem notar eu nao utilizo acentos e, Jessica, sorry, eu digito “eh” ao inves d “é” … o pq??? um costume cultivado desde 1992 qdo nem internet existia por aki e a gente navegava pelas BBS da vida (sim, sou velho ^^’) … O tempo foi passando e eu fui melhorando … por vezes eu tento utilizar o til, acentos (tanto q consigo ja utilizar o “Ç”), mas pra um cara acima dos 30 anos, se desfazer d um costume cultivado a anos eh mais tenso kkkkk … mas, qdo converso com meu filho (q nao mora comigo), faço todo o esforço pra digitar corretamente, utilizando acentos e tudo …
      Sobre a turma mais nova, claro q algumas coisas contribuiram tb, como o SMS, o Twitter, tudo q limitava o texto q vc qeria postar, faz com q as contraçoes comecem a surgir … mas eu concordo com o Diego q postou acima: isso nao tem nada a ver com escrever errado … escrever “você” com “s” nao eh contraçao, eh burrice!!!!

      Otimo cast … acreditem, eu trabalho escutando vcs (programador, coloco o fone d ouvido e passo a tarde ouvindo seus casts) e realmente essa reformulaçao no conteudo q vcs estao fazendo realmente estah me animando … esse cast foi muito bom pelo tema … e se o proximo tiver o assunto “foto da Jessica”, vai ser ainda mais loko kkkk (nada contra Jessica, soh me divertindo aki) … Abraçao pra todos e sucesso!!!

  9. Hello Trilles, obrigado pelo merchan ao meu comentário, em. Bem, vamos lá!

    Primeiro, sim, eu frequentava o fórum project até uns tempos atrás, porém o nível de retardadisse mental de alguns membros passando do limite, e tipo; não é nem igual eu e o Emanon que só está para causar mesmo, são bestas de naturalidade mesmo, fora do comum.

    Eu frequento sim o site de vocês, mas como eu disse, estou aqui para causar, não nego que sou um troll de internet que se esconde por trás de uma máscara, mas agora, bem:

    Primeiramente vocês estão abominando essa ”raça” de forma arrogante e presunçosa, eu te pergunto o que faz de vocês, blogeiros melhores que nós ‘trols’ vocês perdem tempo com a internet assim como nós, qual a diferença? Os meios que vocês usam podem ser diferentes do nosso, mas e o final do dia? São mais algumas horas do dia perdendo tempo com nada. Mas nós nos divertimos assim como vocês, vocês estão nos contestando de forma irrelevante, comentamos coisas do tipo justamente para fazer o que vocês fizeram agora, estão alimentando o sistema? É o que parece, porém, é a mesma coisa que fazemos alimentos o sistema de vocês, comentando e causando discussões que gera mais fama ainda a vocês, não é?

    Eu acho sim que vocês falham em alguns aspectos, por exemplo, excesso de crítica em coisas que não há o que ser criticada, procurar profundidade e maturidade de obras que não é essa a intenção, primeiramente vocês tem que analisar o que o autor quer passar com aquilo, isso em qualquer obra, ver o que o autor está querendo passar, não achar um estereótipo de crítica e aplicá-los em todas as obras, acho que vocês falham bastante nisso, mas enfim.

    Vocês falaram muito sobre os trolls, comentaram até sobre mim, sobre outras pessoas, e o argumento principal pelo o que pude ver é: Não mostra o rosto seu comentário se torna inválido.

    Não é esse o ponto, seria mesma coisa de falar que uma pessoa que não mostrou o rosto para depor contra outra foi invalidada pois não mostrou quem é você, isso torna da voz menos irrelevante? Só porque ele não mostrou sua identidade? Isso é um tanto quanto errôneo seja em qual for o aspecto o que demanda é o comentário e o que ele passa.
    Se eu tivesse falado aquilo mostrando quem eu sou, faria do meu comentário mais válido? Se sim, discorra o porquê, por favor, pois não vejo o motivo disso. Isso é apenas o meio mais fácil de vocês nos abominarem, do tipo: NÃO TEM CORAGEM NEM DE MOSTRAR O ROSTO AINDA QUER CRITICAR?
    Bem, só digo que lamento. Contestar a pessoa pelos atos tudo bem, great! vocês estão certos, é a impressão que queremos passar mesmo, porém, por não mostrar o rosto? Vocês só podem estar brincando, precisamos preservar nossa imagem seja em qualquer lugar que for. Vocês são tão babacas quanto nós, só digo isso. Criticar o estilo de vida de uma pessoa é arrogante, é mesquinho, é presunçoso, parece até ditadura, rsrs, estou mentindo? Até falar que talvez têm problemas de cabeça, é uma discriminação.

      • O que o autor quer passar importa muito, caro léo.

        Imagina por exemplo, Oyasumi PunPun. O autor quer passar algo com aquele Psyduck mal-desenhado de personagem principal. Ele coloca daquela forma pra que tenhamos a visão pelo angulo de uma criatura diferente dos outros.

        Mas tem gente que pode ler e nem ao menos perceber isso. Nem perceber o que o autor quer passar colocando aquela figura de personagem principal. Pode até pensar que é por pura bizarrice do autor. Por isso é importante tentar entender a obra e entender o que o autor quer passar com ela antes sair criticando.

        Ps. Coloquei Oyasumi só como um exemplo, não li ele todo ainda (1 volume e meio só) então não pude explanar muito sobre as metáforas da obra.

      • Como assim Léo? O que ”de fato passa” como assim? Tu está dizendo que só lê o que está escrito e desenhado e não busca nada nas entrelinhas? Meio tenso em rapaz.

      • Quando você lê um mangá, ela te passa algo, isso é um fato! Agora, esse algo é subjetivo.
        Por exemplo, eu posso não me ligar EXATAMENTE exatamente com o que o autor deseja me passar, mas ele sempre me passa algo, e nem sempre há coisas “nas entrelinhas”.
        E Emanon, o que o autor de Punpun(seu exemmplo) deseja passar, realmente não me interessa, mas eu me ligo muito à obra, independente da intenção do autor.

        Agora, me desculpe por eu ter escrito errado “… o que o autor quer passar realmente não ME interessa…”, e como eu não me interesso, pode haver outros, logo, por essa subjetividade como crítica compromete a credibilidade do crítico.

      • Ah sim, há também vezes que o autor sabe passar bem o que deseja em seu mangá, você ter que “adivinhar” a intenção para apreciar o mangá, piora a leitura.

      • Entendo que você não ligue muito pra isso, mas pra fazer uma crítica mais completa, como as do EMD, tem que buscar entender o que o autor quer passar com o mangá. Como você pode criticar um mangá e dar uma nota se você nem o entendeu por completo?

        Mas claro, o autor não pode colocar algo super escondido que você tenha que ficar procurando pra encontrar o significado. Na minha opinião, isso tem de ser algo natural e sutil, algo que deixe a obra mais completa.

        Mas também a casos que os autores forçam, como bleach por exemplo. Existem um monte de simbologias em bleach e significados pra varios elementos. Mas o kubo coloca isso só por colocar, talvez pra dar uma ilusão que bleach tem alguma profundidade. rs

      • Eu já acho que não pode julgar algo tão subjetivo em uma crítica, mas enfim, são apenas diferenças de opinião.
        Mas sobre Bleach, eu só acompanhei até o Aizen Borboleta, e até ali, pelo menos, é verdade, mas não se compara a Naruto. Por exemplo, Kishimoto cagou na Maldição de Izanagi, ou seja, Naruto força ainda mais que Bleach em cultura.

      • E eu acho até legal saber o autor “esconder” o propósito de algumas coisas, o que eu não gosto é quando há infinitas linhas que a estória pode seguir, sendo que o autor não deixa claro a motivação dos personagens(cof cof… bleargh cof) ou “desenvolver” os personagens com coisas fúteis, e ainda tem mais coisa.

    • Rampa, para resumir, leia o meu comentário em resposta ao Emanon. Nele expliquei que essa opinião foi do Lucas, e como muitos outros comentaram, não foi apenas isso o que falamos sobre os trolls.
      Aprecio (e muito) você ter admitido ser um troll, mas sobre quais são as diferenças entre nós e vocês… Bem, novamente, leia meu comentário em resposta ao Emanon, e além disso digo:
      Se vocês nos dão fama eu não sei. Provavelmente alguns sensatos acabam nos conhecendo e gostando do nosso conteúdo, mas como comentamos em casts, trolls chamam mais trolls, e além disso, ignorantes que apenas concordarão com as opiniões deles. Isso cria um grupo grande de pessoas que critica o trabalho de alguém sem nem ao menos conhecê-lo.

      E sobre o nosso grupo, acho que, infelizmente, você também foi influenciado como muitos outros, pois se tivesse ouvido nossos melhores e mais importantes casts, teria entendido que usamos modos diferentes de analisar obras de gêneros diferentes. E sobre “criticarmos coisas que não deveriam ser criticadas”, aí eu simplesmente discordo. Acho que tudo é todos podem ser criticados (e de várias formas de visão diferentes). Depende apenas de como alguém aborda tal crítica, e tenho certeza que sempre explicamos nossos pontos quando criticamos algo.

      Enfim, acho que este é o meu comentário em resposta ao Emanon disseram tudo, mas realmente aprecio ter levado a coisa um pouco mais a sério.
      Espero ter esclarecido tudo.
      Obrigado e até a próxima.

      • Ah sim, do Lucas, desculpe-me meu equívoco.

        Realmente Trilles, você está certo, não havia(ainda) pensando em um sentindo amplo de pessoas que podem ler nossos comentário(que são destinados apenas a vocês, óbvio! queremos rage de vocês) e ter uma visão errônea sobre seu site e assim causando má impressão pelo mundo à fora! Mas a questão que não sou retardado como outros users que vão ficar de dando fama(mesmo que fama negativa) e criando coisas do tipo, saca? Só comento quando vejo que tem presença de vocês no ambiente, haha. O que quero dizer, que crítico vocês apenas quando tem vocês para ficarem bravos, ahsuhasuashu, então não pense que fico por aí criticando vocês e outros blogs de anime, eu sou uma pessoa ‘sensata’ apesar de tudo, pode não parecer, mas eu sou sim e esse tipo de atitude é antiético, não é!? Falo diretamente à vocês, não fico falando merda de vocês em sites alheios.

        Sobre seu site, eu acompanho porque eu acho que tem bons comentários, não digo que ele é ruim, muito pelo contrário acho que ele é muito bom e gera boas discussões, mas como eu disse, às vezes tem que compreender o que o autor quer passar. Já concordei muito com vocês mas também já discordei, isso é algo de mim, cada um tem uma proposta de crítica, a de vocês não está errada, mas digo que às vezes exageramos(não só vocês, isso é em qualquer lugar de review’s) e acabamos sendo contrariados, bem, faz parte. kkk btw, Não estou dizendo que a crítica de vocês é mal formulada, mas sim, que se apegam demais em pontos não tão importantes e torna a crítica muito EXTREMISTA.

        Esqueça o que eu disse que seu site é uma merda é um câncer, não é a minha opinião, aquilo é apenas para causar irá!

        Ademais, adorei seu comentário, você foi centrado e maturo, há algum tempo atrás via uma postura diferente de você, mas hoje, gostei muito da forma como você respondeu, obrigado você, rapaz. Passar bem =D

        • Com certeza erramos, e por isso nos desculpamos, e entendo perfeitamente não concordar, pois como já comentamos por aqui, críticas existem várias, e cada uma tem um peso, mas mesmo cada argumento sendo válido, cabe a VOCÊ considerá-los ou não. Como já disse antes por aqui, não me importo de não concordarem conosco, nem tenho problemas com isso. Meu problema está em pessoas que não conhecem nosso conteúdo e nos criticam sem conhecê-lo, sem nem ao menos entendê-lo.
          A questão da crítica extremista é opinião sua. Realmente não achamos isso. Acho que essa estória de “o que o autor quer passar” é subjetiva demais, como já comentamos inúmeras vezes por aqui. Em certos casos, pegamos isso e desenvolvemos nossos pensamentos, mas me diga, o que de tão profundo Kubo quer passar com Bleach? Que toda merda tem um fim? Que o mundo não precisa de mangas ruins? Ou que personagens principais típicos da Shounen Jump são “esteriotipados”?
          Muita gente fala que temos de seguir “o que o autor quer passar”, mas muitas vezes não conseguimos encontrar um real motivo para certos “erros” (considerados assim por nós) em algumas obras. Mas isso é questão de opinião sobre como uma crítica deve ser feita. Temos o nosso estilo e compreendo seu argumento.
          Gostei muito do seu comentário também. Não me importo com trolls aqui e ali, pois vivi minha infância nesse mundo de fóruns da internet que eram cheios deles. Me acostumei. E já fui imaturo por aqui mesmo, mas percebi que isso só me estressava e não levava a discussão a lugar algum. Como disse em outro comentário, sou apenas alguém que busca obter conhecimento contínuo, sobre tudo e todos, e discussões como essa apenas melhoram minhas opiniões sobre algumas coisas.
          Obrigado novamente e até a próxima.

          A propósito, ótimo e-mail (meupaudeoculosfodaum@mamamia.com). AHUaHauhAUA

      • Poxa cara, tinha que comentar justo de Bleach? Admito que o mangá é muito ruim huashuas, mas ele é meu xodó cara, por que ele? D: Foi ele o estopim para mim entrar nesse mundo.

        Mas sim concordo, lembro que li um comentário assim ”Procurar profundidade aonde não tem é tão ruim do que criticar o que não deve” e meio que concordo, tem obras que merece ser descida o kacete, justamente por não ter nenhuma filosofia por trás, tem que descer o kct mesmo ahsuhasusa.

        E não manu, putz! revelou meu e-mail, as mina vai pirar me adicionando agora, não vou aguentar mais D:

  10. Cast regular mais proximo de ser ruim do que bom, realmente não entendo porque vocês gastam uma parte do tempo de vocês, fazendo Casts sobre assuntos que não tem nada haver com anime\mangá, eu acho que seria mais produtivo vocês fazerem apenas casts sobre conteudos que tem alguma relação com anime\manga.

    • Simples, porque a vida não é só anime e mangá. Logo não é justo falar apenas disso.
      Além de que pode ficar massante bater apenas no mesmo assunto. É bom abordar outras coisas de vez em quando.

  11. Eai!Muito interessante o cast e o tema abordado,como citado no cast uma renovação do Gutinho Must Die,expondo mais suas opiniões sobre determinados assuntos.E um tema que foi bem citado no cast mas não só nesses como em vários outros,que é sobre a “Crítica”.Ontem antes de ouvir esse cast em questão,vi uma entrevista no YouTube com o crítico musical Regis Tadeu muito interessante http://www.youtube.com/watch?v=NwxSsm_3wdo
    Onde ele abordava esse tema da seguinte maneira:
    -“Hoje as pessoa estão num grau de (vou usar o termo que ele utilizou) bundamolice tão grande que elas se ofendem com muita facilidade,isso me deixa um pouco triste,porque eu percebo que as pessoas estão perdendo a capacidade de raciocinar,perdendo a capacidade de interpretar um texto,de interpretar uma opinião,aí eu fico um pouco triste,Não! mentira não fico triste coisa nenhuma quero mais que esse pessoal se dane!
    (…) A função do crítico na verdade,eu sempre digo isso não é fazer você concordar ou você discordar,a função do crítico é fazer você pensar na argumentação,aí você pensa e depois pensando e raciocinando em cima daquela argumentação você vai chegar a uma conclusão e dizer: – Olha,o que o Regis falou tem razão e faz sentido! ou Não,esse Regis é um Idiota só falou merda! – Mas assim,você parou para pensar nessa argumentação,quando você parou para fazer isso o meu trabalho já tá feito.”
    E eu concordo plenamente com que ele citou nessa entrevista sobre isso e outras coisas que ele também comentou e que vcs também debateram no cast.Pressuponho que essas pessoas que querem se fixar a um rótulo,há eu sou Otaku,sou fã de Naruto,sou funkeiro,metaleiro,até mesmo religião,etc.. por um lado se fecham a um grupo por segurança pois eles defendem os mesmo ideais,aqueles que ele também acreditar ser verdadeiros.Não estou dizendo que se juntar a um grupo é errado,pois por outro lado isso é socializar e é uma natureza do ser humano e até animal,além do mais é divertido participar de um grupo que partilha das mesmas ideias que a sua mas você se limitar construindo uma barreira para outro conhecimento sim é errado!É mais seguro porque ser diferente e tentar abranger outros conhecimentos é se diferenciar dos outros e arriscado não ser aceito em uma sociedade. As pessoas tem que aprender a abrir a mente pois isso amplia seu conhecimento,por isso há tanto preconceito e ignorância.Ninguém é dono da verdade,portanto temos que discutir de forma inteligente,opinião como vocês disseram é pessoal se você discorda está bem,mas tente compreender e interpretar a opinião do outro e se mesmo assim você não concordar está bem mas não xingue e sim argumente,tente persuadir sua ideia a seu público alvo.Hoje como falado as pessoas perderam a capacidade de raciocinar e defender suas ideias indo para a ignorância e agressão.
    Como vi um comentário acima de uma pessoa com o nickname Emanon que reclamou do site sem argumento nenhum e criticando o grupo e os membros que participam dele,o Trilles respondeu educadamente defendendo seus pontos,não sei se ele estava zuando ou ele não gosta do conteúdo do site de verdade mas a todos esse que só vem para xingar e falar mal sem argumentos e sem ao menos tentar compreender o que eles estão passando,pra que isso?se não gosta não entre no site.Não liga cara deixa pra lá,como em Uchuu Kyoudai não adianta mostrar o mundo 3D para uma pessoa em 2D se ela não se permitir ao conhecimento.
    Posso falar hoje!nesse tempo que acompanho o site passei a não somente a analisar mangás/animes como tudo,desde músicas,filmes,arte,etc.. e porque também não a vida,não que eu nunca tenha pensado,mas olhar de uma outra perspectiva de uma determinada maneira sendo influenciados por esses meios.Acho que já viajei de +,então acho que é melhor encerrar por aqui,teve mais assuntos no cast porém é melhor não me estender por outros assuntos.
    Então vlw pelo conteúdo e até a próxima oportunidade!

  12. O que foi muito bom, achei certo o que voces disseram (no geral), mas o melhor foi ver os comentarios, voces provocaram uma certa reação no publico do EMD, tanto pro bem quanto pro mal, mas eles estão pensando antes de comentar e falando coisas uteis, eu acho que se as pessoas que tendem a comentar sem colocar sua real opinião ou que só gostam de de chamar atenção deveriam ouvir este podcast.
    A internet e principalmente qualquer site que permite com que as pessoas se socializem seria muito mais interessante se tivesse um proposito diferente.
    Enfim um dos melhores cast de voces, mesmo que fuja um pouco do assunto anime/manga, eu gostei e acho que deveriam ter outros assim, de assuntos diferenciados.

  13. Cara, é sério mesmo, eu desafio qualquer um de vocês a gravar um podcast jogando Syobon Action sem falar nenhum palavrão. EU AINDA TÔ NA TERCEIRA FASE DESSA BUDEGA, tô com sangue no olho para pegar os trolls que me indicaram esse jogo. Acho que hoje ainda eu desisto desse troço, PQP.

  14. Vou falar em algo que parece ser mais ou menos onde o Emanon que discutiu contra o Léo estava querendo chegar, apesar de que eu posso ter interpretado o que ele quis dizer errado, eu entendi mais ou menos que ele tentou puxar a discussão de qualidade vs gosto. Ele, em minha vista, apontou que se deve julgar algo em relação à o que o autor queria passar. Então, em uma escala menor, críticos não deveriam julgar/comparar obras de gêneros diferentes e, em uma escala maior e mais ousada, não se deveria julgar/comparar obras sem intenções de serem profundas ou obras onde diversão é o mais importante com obras que têm aprofundar enredo e personagens como intenção.

    Eu sei que esse assunto já foi discutido aqui no site e vi qual eram, pelo menos, as opiniões do Estupra no assunto. Mas, tenho que dizer que eu não fiquei muito satisfeito com o fim da discussão e até acho que um Cast do grupo sobre até onde gosto vai seria interessante. Na minha opinião, críticas são pessoais. Mesmo que depois de ter visto bastante relacionado à uma certa mídia, você passe a ser, geralmente, mais qualificado a realizar críticas pois está mais apto a achar falhas em uma obra e tem uma ideia melhor da qualidade geral esperada, nem sempre opiniões vão ser iguais. Muito depende de gosto, expectativa de qualidade e conteúdo que nem sempre são iguais para todos.

    Há 4 casos (3 mais gerais e 1 bem pessoal meu) que me vêm à cabeça no primeiro instante: JoJo, Tengen Toppa Gurren Lagann, Baccano e Evangelion. JoJo e TTGL são shows similares até demais (Fico impressionado com o quanto Trilles gosta de JoJo mas não gosta de TTGL). Ambos são shows que dependem bastante do conhecimento de clichês dos gêneros a que parodiam para que sejam apreciados (pelo menos durante a primeira parte deles) e também pedem por uma certa mentalidade e nível de descrença para que se goste deles (de novo, a primeira parte). Baccano é um show que realmente gosto por não esperar desenvolvimento de personagens e por isso, não considerei isso uma falha como vocês mencionaram na reviem da obra e gostei mais da obra que vocês pelas expectativas de conteúdo diferentes. Evangelion foi um que tinha expectativas demais de qualidade e expectativas de um show extremamente psicológico e tenso. Assisti até o episódio 9 (?) e achei ruim por todo desenvolvimento de personagem e momentos realmente bons serem facilmente ultrapassados em quantidade por momentos de comédia e fan service. Asuka deve ter sido minha maior decepção de personagem de todos os tempos;

    Passei tempo demais nos exemplos mas, sinto que fazer uma declaração dessas sem exemplos para me apoiar faria com que meu ponto ficasse um pouco confuso. Além de tudo, antes do Estupra mencionar o exemplo da “merda” para separar qualidade de gosto, usar esse exemplo só funciona porque comer merda é algo socialmente desaprovado e apesar de não dizer que merda é gostoso, eu respeitaria quem come merda esperando por gosto de merda (na metáfora porque como disse comer merda é socialmente mal visto).

    Resumindo, gosto é algo indiscutível. Eu acabei de acabar Chihayafuru e ele se tornou uma das minha obras favoritas mas não recomendaria para todos meus amigos porque sei que eles gostam de Battle Shounens e não gostam de ver romances e relações complicadas entre personagens. Eles gostam de saber o que vai acontecer e lutas “fodonas” mas isso é só mais um gosto e se na metáfora, els são merda, meus amigos gostam e deixo eles, claro, depois de tentar mostrar coisas diferentes e ter certeza que eles só não gostam por nunca terem visto.

    Por outro lado, sinto como se qualidade fosse mais relativo e menos indiscutível que gosto. Até mesmo as obras que vocês recomendam são baseadas em características que vocês consideram boas. Claro, devido à experiência, vocês são capazes de indicar obras que tem algo a mais/diferenciado a oferecer se comparadas a outras obras. Posso ter viajado um pouco e acho que não consegui passar tudo tão bem quanto gostaria mas espero que sirva pelo menos pra dar uma ideia de minha opinião. E recomendo novamente um Cast de Qualidade vs Gosto porque considero um assunto interessante para se ter uma discussão.

    • Só não entendi os comentários sobre o Estupra. Ele nem estava na discussão… Se o que estava falando sobre meu exemplo já batido da merda (eu não gosto de merda, mas qualquer um pode comer e gostar), fui eu quem falou aquilo.
      Entendo o que diz, mas acho o assunto meio óbvio… =( Podemos fazer um cast disso no futuro. A ideia do Pagando de Críticos é de, justamente, falar de TUDO. Tudo o que pudermos falar, pelo menos. E um cast sobre o assunto entraria facilmente, mas…
      Ah, quer saber? Próximo Pagando de Críticos, semana que vem, terá o tema Qualidade vs. Gosto. Você venceu. E comentaremos (tentaremos) de cada uma das obras que citou, inclusive. Isso, é claro, a não ser que alguém venha com um tema que queira comentar. O pessoal já queria fazer há um tempo um cast sobre nostalgia/infância, e ideia recentes muito boas surgiram também. Enfim, veremos o que sai.

      • Eu achava que tinha visto o Estupra numa discussão em um ranking semanal sobre isso com alguém, provavelmente por causa de Naruto ou algo do tipo. Não sabia que o exemplo era seu mas, sim, era esse que mencionei.

        É eu sei que o assunto é meio óbvio mas, surpreendentemente. dá um bom assunto para discussões, pelo menos eu passei um bom tempo falando com um amigo sobre isso. E esse post vai ser semanal? Se sim acho que vai ser uma boa adição para o site, especialmente depois de ver os comentários do post. Algumas discussões, principalmente as sobre críticas foram bastante interessantes.

        E o assunto foi mais uma sugestão porque, como disse, tive uma discussão com um amigo que foi bastante interessante. Chegar a um consenso sobre gosto foi bem fácil mas discutir até onde qualidade vai foi o mais difícil de se fazer. Caso vocês tenham um cronograma e vários assuntos (gostei da ideia da nostalgia; tentei ver alguns shows que via quando criança e simplesmente não consegui; Desculpe ao Gutinho mas Yugi-Oh foi um deles), vocês poderiam deixar para comentar quando todos estiverem no clima, afinal esse post é algo mais descontraído pra falar o que der na telha mesmo. Acho que seria melhor ter vários assuntos mas sem ordem pronta para que se falasse sobre o que vocês estivessem afim no momento.

        Sobre as obras, gostaria bastante que vocês falassem sobre elas quando o cast acontecer porque, sinceramente, não consigo entender como você gostou de JoJo mas não de TTGL. Além disso, ouvir um pouco sobre Evangelion seria uma boa, já que não vi o porquê do Estupra gostar tanto já que até onde vi não é nada demais. E Baccano é como um anime feito por Tarantino e sempre é bom ouvir mais sobre ele, já que sou um fã🙂

    • Eu simplesmente adorei seu texto, camarada. Concordo completamente com a ideia do cast sobre o assunto. Mas você também vê que uma crítica se torna difícil, não? Pois para cada qualidade vem junto uma subjetividade. Ex: A arte de tal mangá é ruim, mas ela agrada o fulano; O enredo do mangá é bem trabalhado, mas não é do gosto de tal fulano; e etc. Mas esse é outro assunto que não se desenvolve discutindo assim. Realmente, Ecchi Must Die, façam um podcast sobre o assunto, porque nos comentários isso costuma virar discussões bestas.

      Obs: Já que não custa nada, criei uma conta nesse WordPress e coloquei uma foto.😀

      • E foi exatamente nesse ponto que entrei um impasse com meu amigo. Até onde qualidade vai de encontro com gosto? Dizer que tudo é uma questão de gosto é fácil, mas fazer uma linha de até onde qualidade sozinha sem um pouco de gosto vai, assumindo que os dois são excludentes o que não é verdade, é bem mais difícil. Mas, valeu cara🙂

        P.S: O Takamura é bem mais foda que eu, mas acho que um dia coloco uma foto já que estou usando meu nome de qualquer jeito🙂

  15. Gostei dessa série. Não vejo nescessidade de colocar nome e foto aqui mas acho que no Facebook já é demais. Além disso, acho que uma parte do podcast já fez algum efeito, poois a melhora do Português dos comentários é clara. E ah, afinal, quantos Emanons existem? Porque já ta misturando tudo kkkk

  16. Terminei, muito bom galera…
    Teve alguns pontos bem polêmicos, hehe. Sobre a utilização de foto por exemplo, é complicado, até porque ao usar de sua foto, você dá a chance de baixarem-a, criarem perfil falsos,etc. Acho que a segurança da informação em geral é muito falha(faço ciência da computação, fiz só 1 cadeira disso). Por exemplo tirinhas ou qualquer imagem, pode ser usada para diversos fins por outrem. Ou seja, cai lá na parada direitos autorias, nós deveríamos ter o direito de apenas nós usarmos da nossa foto, mas não acontece.

    E na matemática, física, entendi o ponto que queriam bater ou seja, enquanto uma análise de uma obra é pessoal e pejorativa, as ciências exatas como seu próprio nome já diz, é exata, é certo e errado. Já uma interpretação não existe isso. E caso mudem uma parte acho que não muda tudo, apenas ao campo que aquilo pertencia, por exemplo se mudar alguma coisa da física quântica, não necessariamente afetará a mecânica clássica.

    Muito bom o podcast, gostei dos pontos que foram tocados.

    A inspiração por esse conteúdo veio do post da Mara?
    E realmente fórum project tem um nível bem baixo, desculpe a sinceridade.

    Sobre qualidade vs gosto eu acho simples demais, lógico que o correto é analisar apenas o primeiro e não ter nenhuma parcialidade do segundo, ou seja deve-se ignorar os gostos para chegar a uma conclusão.

    Abraços, esperando o próximo podcast.

    • Mara? Nem conhecia essa mulher até sermos citados lá. A “inspiração” pelo post veio de:

      Trilles: Mas off-topic não dá, porque não pararemos de falar sobre mangas e animes.
      Lucas: Então que tal Pagando de Críticos?
      Trilles: Ótimo.
      Thomás: Ótimo.
      Jéssica: Ótimo.
      Trilles: E como primeiro post? Nostalgia mesmo? Acho muito simples e pouco prático pra montar agora (de madrugada).
      Alguém: Que tal “internautas”?
      *Discussão entre o grupo*
      Trilles: Partiu.

  17. “Eu só consegui acabar o cast agora por estar viajando. Fora o outro assunto que já comentei, eu achei o papo sobre arte bem interessante. até porque eu sou uma das pessoas que não ligam muito para arte e entendo o que vocês querem dizer mas não consigo me interessar tanto por ela. Eu entendo a importância da arte para um mangá apesar de (erroneamente) não dar tanto crédito a ela quanto dou para a direção ou trilha sonora de uma série ou filme.”

    Pode parecer engraçado, mas esse era o começo da minha primeira tentativa de comentário. Mas, enquanto lia tudo que escrevi (e sério… escrevi bastante) e escutava novamente os seus comentários, mudei de opinião. Eu entendo o que vocês querem dizer, pelo menos em relação às feições do personagem. Ainda não consigo me importar tanto com coisas como cenário (o desenhado e não o criado pelo autor) mas entendi onde vocês queriam chegar com os comentários em relação a expressões faciais e design de personagem.

    Eu entendi que um artista (roteirista ou desenhista) bom tenta entender os personagens e fazer designs e expressões que funcionassem de acordo com a história e personalidade dele. Tanto que até ouvi um cast em que o Lucas fala que para criar um personagem, ele precisa de tudo isso pois, tudo que cerca o personagem é importante. Mas, acho que em casos como o do Inoue e do Miura, eles por serem os criadores do personagem e contar a história deles por tanto tempo, entendem melhor do que ninguém.o que os personagens deles deveriam estar sentindo naquela situação. E isso é o que mais admiro neles, e em muitos outros para falar a verdade, como roteiristas.

    Mas, claro, que saber isso e não ter a habilidade de desenho bastante para passar para o papel é um problema muito grande. E é por isso que, depois de ouvir vocês falarem vou tentar passar a dar créditos iguais para o criador dos personagens/roteirista que consegue imaginar a cena e expressão do personagem naquele determinado momento, o que é incrível e dá uma impressão de realidade inigualável sobre o personagem e para o desenhista que é, ainda mais impressionantemente, capaz de passar esses sentimentos e expressões de um personagem que deveria ser fictício para o papel de forma convincente. Os casos do Inoue e do Miura são especiais, já que eles são ambos desenhistas muito capacitados e ao mesmo tempo dois ótimos roteiristas/criadores de personagens.

    Isso finalmente me deu a resposta que precisava para o fato de que o Togashi aqui e ali mostrar momentos impressionantes, não em apectos técnicos já que é quase unânime que o desenho dele é ruim, mas em representar expressões faciais e emoções dos personagens, principalmente, no arco das Formigas Quimera. Apesar, de que o forte dele realmente é o enredo.

    Acho que tinha a visão errada pelo fato de só ler mangás e muitos deles (dos que li pelo menos/ admito que li muito poucos) não aparentarem ter esse cuidado com ambos arte e enredo. E sempre escolhia o enredo ao invés da arte, sem ligar muito para a última. Enfim, viajei demais por hoje e mereço um tempo de descanso mental. Gostei muito mesmo do novo formato e obrigado pelo cast🙂

    P.S.: Acabei de perceber que todos os meus comentários ficam grandes demais e nada práticos. Tenho um problema com passar minha ideia de forma simples e menos confusa. Desculpe por isso.

    • Acho que não prestou bem atenção, mas nunca dissemos que ela é subjetiva. Dissemos que talvez a raça humana possa descobrir, no futuro, outros meios para leis da física. Outras substâncias químicas que mudem conceitos. E até mesmo outras evoluções/derivações da matemática que nos façam evoluir. Quisemos dizer que: o que conhecemos hoje provavelmente não é tudo o que podemos conhecer (o que é possível de conhecermos agora).

      • Eu concordo que nós não temos total conhecimento das leis da física e da química, e que por não termos tal conhecimento, talvez nós compreendemos tais ciências de modo completamente errado. Mas isso não é válido para a matemática, uma vez que a física e a química fazem uso do método científico (método esse que TENTA evitar falhas) para chegarem às suas respectivas conclusões, enquanto a matemática é uma área do conhecimento que justifica por si só as suas afirmações. É possível descobrir novas fórmulas matemáticas, mas não negar que 2+2=4.
        Eu interpretei que vocês afirmaram que matemática é subjetiva por colocarem o conhecimento matemático no mesmo nível de falseabilidade que o conhecimento físico e químico. Mas enfim, isso nem é importante, foi só algo que me incomodou quando eu estava ouvindo o cast.

        • A questão que foi posta não foi a matemática ser subjetiva, pois não é. Mas sim o fato de que nada no mundo pode ser considerado uma verdade absoluta, mesmo algo que agora é uma realidade como 2+2=4, pode ser mudado. O ser humano ainda não tem a capacidade de explicar muita coisa, o que criamos e utilizamos funciona para o mundo em que vivemos, mas não necessariamente é verdade, mas simplesmente funcional.
          É complicado de se analisar esse tipo de coisa, isso é assunto pra programa do Discovery Channel, nem em nossos podcasts poderia ser abordado, pela fato de não conhecermos o bastante sobre o assunto, para aborda-lo de maneira correta.

      • Resumindo o que você quer dizer, não seria que boa parte do conhecimento humano é conveniência/denotação.
        Pois em outras galáxias, por exemplo, nossa física “clássica” poderia não funcionar.

        Porém também acho que uma mudança nas leis, não necessariamente muda todas as outras, apenas de suas respectivas áreas. Certas leis também acredito que vai demorar pra derrubar, tipo a da relatividade geral, já encontraram erros, mas derrubá-lo por completo creio que não, alguma coisa sempre fica.

  18. Vamos la , eae conheci o seu blog ontem e é muito legal …o/

    Bom vou comentar apenas o que pegou no meu calo que foi o começo .Eu tenho amigos na vida real mas como eu tenho que pegar ônibus gasta 10 reais e 1h30 de viagem para poder ver meus amigos em feriados e finais de semana, por que eu não posso ficar na minha casa jogando meus jogos,discutindo em blogs, eu ja vejo o povo de segunda a sexta por que tenho que ver no final de semana tbm ? Sei que a sua critica foi para os mais extremos , mas eu me senti ofendido por que eu prefiro ficar em casa do que sai … por isso eu vou ser retardado ? não eu simplesmente n gosto de sai nos finais de semana eu to cansada de pegar ônibus …

    Sobre Anonimato meu nick é Geovane;link não vejo problema em usar esse nick tem meu primeiro nome e alguma característica para diferenciar dos outros Geovanes da internet. Eu uso uma foto de anime e dai ? se alguém pedir uma foto minha acessa meu face a foto do perfil é a minha a capa e do anime/manga ou personagem que esta me agradando no momento .

    Pra finalizar esta ae meu nome endereço local de nascimento e cidade onde moro atualmente ja que identidade é tudo … se quiser o resto dos dados manda e-mail😀

    Geovane Menezes de Sousa
    Nasci no hospital de Ceilândia
    Moro atualmente em Aguas lindas de goias
    Nasci no dia 24/12/1993

    Espero que so com essas informações meu comentário seja valido e n fique no anonimato ….

    De resto concordei coma maioria do que foi discutido , continue assim ate a próxima o/

    • Você definitivamente não entendeu a proposta inicial, amigo. Não temos problema algum com quem usa um nick e não sai colocando sua foto na internet. Se lesse os outros comentários isso ficaria claro também. O problema está quando o usuário usa um nickname só para sair xingando a todos pela internet, os famigerados “trolls”. Se alguém nem sequer colocar nick, nem e-mail, nem site e aparecer por aqui usando argumentos válidos, palmas para essa pessoa. Não esperamos que se identifiquem. Esperamos que os trolls parem de ser trolls à toa, pois na maioria das vezes, são porque ninguém sabe quem são na vida real, entende? As pessoas que realmente se escondem na internet.

      E sobre sair, eu não saio já há dois meses com meus amigos. Prefiro ficar em casa a sair também e sofro de um problema parecido com o seu. Eles não moram tão longe nem seria tão caro encontrá-los, mas às vezes acho que a viagem é cansativa e nada válida. Novamente, não é aquele caso em que comentamos de todos os usuários da internet, mas sim daqueles que deixam de fazer algo de útil pra ficar passando de site em site xingando e falando mal do conteúdo do outro.

      Não generalize as coisas. Falamos de um nicho, não de todas as pessoas do mundo que ficam na internet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s