EMD Cast #147: É Proibido Criticar!

 

Pagando de Criticos (full)

Em um podcast bem descontraído e despretensioso o grupo fala do assunto que trouxe o site a um público maior. Devido as inúmeras polêmicas que o EMD já passou, decidimos fazer um podcast sobre a recepção da crítica no universo otaku e a função da análise em geral .

Lucas, Thomás e Crive se tornam cantores pop para argumentarem sobre apreciar ou não uma crítica. Os otakus aceitam esse tipo de conteúdo? Hiro Mashima está limpando o cu com dinheiro? Porque o público de quadrinhos aceita melhor a crítica? Estupra tem 45 anos? Qual o motivo de Crive odiar tanto o cast de Naruto? É errado desrespeitar autores? Confira isso e muito mais nesse podcast.

Deixe seu comentário.

> PODCAST <-

Lembrando que recomendamos que baixem nossos podcasts.

Para fazer o DOWNLOAD e/ou ESCUTAR ONLINEMega.

EMD Cast #147_ Pagando de Criticos -.mp3

(para baixar, clique com o botão direito do mouse e escolha a opção “salvar link como”, no link acima)

 

 

DURAÇÃO :

– Pauta Principal [00:00 até 01:23:00]
– Melhores e Piores [01:23:01 até 01:44:13 ] :

Crive:

Quadrinho:

  • Dragon Ball Clássico – melhores

Thomas:

Quadrinho:

  • Afterschool War Activities (obra bizarra do Thomás) – melhores

Dicas:

  • VR (Vale Refeição) – melhores
  • Osasco – piores

Lucas:

Quadrinho:

  • Vinland Saga – melhores
  • 20 Century Boys – melhores
  • HQ – Elric – melhores

Musica:

  • Pala – Friendly Fires – melhores
  • EP Som, Luzes e Terror – Vivendo do Ócio – melhores

 

->Texto de Referência – Estupratom<-

A ignorância é uma droga forte e tentadora. Sua palavra se espalha como chamas no outono, seu calor esquenta e agita o coração dos desavidos e seu poder transforma a mais deprimente das histórias em uma fábula amigável.

O conhecimento nos permite visualizar as cores de um mundo novo, mas em troca dessas pequenas centelhas de lucidez a maior parte da vida perde seu brilho. Vale a pena o sacrifício?

Você prefere um mundo preto e branco onde as coisas facilmente o agradam ou um mundo escuro onde algumas raras centelhas de luzes coloridas conseguem colorir sua alma e mudar suas crenças e convicções?

Não sei quanto a vocês, mas eu escolho a pílula vermelha.

LINKS RELACIONADOS :

Video: Regis Tadeu  sobre a função do critico.

Video: YouTuber dando sua opinião sobre a necessidade de estar certo.

Podcast: MDM podcast sobre quadrinhos e variedades.

48 pensamentos sobre “EMD Cast #147: É Proibido Criticar!

  1. Acho que vocês estão desvirtuando/saindo totalmente do foco do que o site parecia ser no começo, poucas review sérias em podcast, só Comentando em texto toda semana (Principalmente sobre Wake Up, Merdas! e Spandy Non-sense ao infinito), só deveria ter Comentando de Hunter x Hunter e One Piece e outros, como o arco inteiro de Festival de Comida, igual oque Estrupatom vai fazer e o volume 12 inteiro de Oyasumi Punpun (aliás, foi épico esse post), que tbm é do Estrupatom, ou seja, nem parece mais EMD.

    • Ah cara, pra ser sincero adoraria muito que o site continuasse em forma de canal do youtube, me interessei pelo tipo de critica e humor, uma química que o pessoal tem é único. mas não acho errado o site se diversificar mais. Ficar na mesmice não da certo. Adoro os podcasts , sendo sobre animes, mangas (ou de bosta). o que eu gosto é de ouvir sobre algo que eu conheço, com humor e criticas bem construidas. pra mim pode se desviar de qualquer jeito, mas esse pessoal sabe fazer bons podcasts

    • Cara voce ta se encaixando no papel de otaCU com esse comentario, uma vez que vc ta criticando algo que nao esta do seu agrado e so quer aquilo do que voce gosta. Nao eh porque vc nao gosta de algo, que ele nao deve ser feito. Ta fugindo completamente do pensamento do cast.

      • Leonardo, no próprio podcast falaram : ”Falem oque vocês estão achando”, expressei a minha opinião, além do quê, só olhar nos comentários abaixo, não é só eu que não está gostando. Falei oque estou achando, depois que não tem ”comentários” ou ”visualizações” suficientes no post em questão, pra não colocarem a culpa em nós (leitores do site).

        • Dae Gon, você deu sua opinião e entendo ela. Mas algumas coisas eu tenho que te corrigir, sobre o objetivo do site você se equivocou bastante. Nosso objetivo sempre foi fazer reviews em podcast, e honestamente, desejamos tirar as reviews em textos a muito tempo. Elas eram apenas uma introdução rasa de nossas opiniões, sendo que algumas vezes o texto era a penas a opinião individual de alguém, não a opinião do grupo. Diversas vezes tivemos comentários de pessoas que tiraram conclusões ridículas da nossa review sem nem ter escutado o podcast. Como colocamos em todos os textos e repetimos em diversas reviews, nosso objetivo é e sempre será o podcast.

          E sobre os posts secundários, eles tem tido bem mais profundidade do que antigamente. O de artes tem ficado cada vez melhor, o Ranking Mensal de HQ’s traz muitas recomendações e conteúdos inéditos, meu post de notícias está evoluindo a cada edição, e o comentando trouxe diversas vantagens. Eu que comecei o Ranking Semanal como um projeto pessoal, e conforme ele foi melhorando ele acabou se tornando o formato mais procurado do site.

          Acredito que o Cimentando tem mais potencial que o Ranking Semanal. Ele nos da muito mais espaço para comentar das obras que desejamos, e graça a esse formato que foi possível fazer os últimos comentando que te agradaram. Com certeza não serão todos que irão te agradar, mas assim como nossos leitores, os membros do site tem gostos diferentes. E a principal vantagem é que um comentando não interfere em outro.

        • Sim, concordo que o objetivo do site é somente os podcasts (até porquê, eu escuto todos eles), mas fazer Comentando de Wake Up, Girls!, já é demais, né ? onde tem 2 comentários e nenhum deles é sobre o episódio em si.

          Todos os outros não tenho nada contra, aliás, leio todos e diga-se de passagem : são todos ótimos, só estou falando que está tendo Comentando à mais do que deveria.

        • Qual o problema de ter um comentando que você não acompanha se ou outros você não se incomoda? Você acha que tirar o Comentando do Wake Up Girls vai fazer os de Hunter X Hunter, One Piece ou Punpun ficarem melhor?

        • Ok, faz Comentando de Wake Up, Girls! até o fim do anime, enche o site disso e vamos ver no que vai dar, não é meu mesmo, talvez aumente as views do site, quem sabe, né ? só avisei.

  2. Dizer que é a opinião de vocês não é inteiramente verdade já que se arrependem de dizer que tal arte é “uma merda”. É contraditório dizer que dão a sua opinião sendo que estão limitando-a. Por exemplo, posso dizer que acho Naruto uma merda atualmente, então por que eu iria dizer que me arrependo sendo que eu ainda acho uma merda?

    É difícil definir como crítica algo que não é inteiramente “honesto”. Nesse caso, seria o antigo EMD ou o atual EMD o verdadeiramente honesto? Eu estou votando na antiga, porque mesmo o Estupratom ou o Lucas apenas xingando e detonando um mangá ou anime, a opinião deles me pareciam mais honestas. Se começarem a se limitar a não “falar mal” de uma obra estarão quebrando um tanto da credibilidade do EMD, pois sabemos que acham algumas obras horríveis. Crítica + Omissão de opinião = ?

    Uma ÚNICA solução para isso seria apenas falar de obras que acham “boas”. A menos que abandonem a crítica e comentem tudo no feeling, o que me seria muito triste. E também já temos outros podcasts que falam sobre tudo o feeling, o EMD é o único contraponto atualmente.

    “Se adequar ao público” seria uma ideia muito contra a premissa do EMD. O podcast para mim era: “Queremos apresentar obras boas ao público e afastá-los de obras falhas, em nossa opinião”. Me pergunto quando isso mudou…

    Talvez eu tenha passado uma impressão diferente do que eu pensei nesse comentário, mas “acho que estou um pouco alto”(jogo: Outlive) após beber umas doses aqui, para queeu consiga ser claro.😄

    • Sinceramente, quero saber se você ouviu o podcast, pois estou achando que houve um enorme mal entendido. Primeiro ponto, não estamos arrependidos de ter falado de que algo era ruim. No caso de Naruto, comentamos que o PODCAST está ruim e queremos refazê-lo. Porque não há conteúdo nenhum, há somente um hate absurdo sobre a obra e nenhum argumento fundado sobre os seus pontos positivos e negativos. Segundo ponto, quando paramos de falar mal? Dos últimos 5 podcasts, temos 2 (Clamp e Green Blood), onde criticamos muito as obras. Nunca deixamos de omitir nossa opinião, tanto que em obras que falamos bem, fazemos questão de mostrar tanto os pontos positivos como os negativos.

      Terceiro ponto, o EMD não vai analisar somente pelo feeling e continuaremos “criticando”. Quarto ponto, o se adequar ao público é continuar o nosso trabalho criticando, mas fazer com que o podcast seja mais atrativo para o público. Quer um exemplo: Podcast de Devilman, um dos melhores podcasts que fizemos com muito conteúdo e divertido de se ouvir.

      Como eu comentei no Podcast, realmente não estamos felizes com o pequeno público que gosta de seinens e curti recomendações ou recomendar(ou que concorda sempre com nosso conteúdo), gostaríamos que o público que lê só os shounens mainsteam escutasse o nosso podcast e gostasse do conteúdo em questão, dessa forma é interessante que não afastemos esse público com um rage infundado como aconteceu em muitos casts e nos comentários.

      • Como assim? O que eu disse sobre Naruto foi um exemplo MEU, aliás essa é a parte mais clara no meu cometário.
        E eu também não disse que pararam de falar mal, disse que se pararem estarão omitindo em parte a sua opinião.
        E sobre analizar pelo feeling, já foi feito no podcast de Devilman, com LEVES críticas. Por exemplo, o Lucas disse que Go Nagai era “um gênio que nasceu sem talento”, para dizer isso algo de ruim ele tem que ter visto NO MANGÁ e não no autor; E ainda assim deu 10. Ainda no assunto, falaram no podcast que talvez não devessem falar mal de mangakás, acho que o oposto também deveria ser feito. Falaram muito bem do Nagai como mangaká, mas não seria Devilman o primeiro mangá dele que leram? Entretanto, concordo que foi um podcast divertido de se ouvir. E também acho Devilman foda.

        Bom, eu não disse que estariam analisando tudo no feeling, disse que na hipótese de faze-lo, falar mal de algo não seria necessário. E também disse que pessoalmente, eu não gostaria disso e não que acho que não deveriam fazer. A escolha é de vocês, não minha.

        E sobre o seu ultimo parágrafo, Crive, vocês TERIAM que parar de falar mal de algumas obras para atingir esse público, querendo ou não. Sabemos, infelizmente, que o público de shounen em maioria odeia que critiquem algo que eles gostam. E poxa, não é por gostar de seinens que alguém odeia shounen.

        Obs: Pô Crive, segunda vez que me interpreta mal assim.😦

        • Primeiramente, o cast de Devilman teve mais análise do que quase todas os anteriores do site. Não analisamos a fundo apenas a obra, como citamos diversas influências que ele trouxe para os quadrinhos, fizemos diversas comparações com o mercado e qualidade dos mangas atuais e muito mais. Ele foi infinitamente superior a muitos podcasts que sairão poucos meses antes do de Devilman. Deve algo que o Lucas não comentou no cast, mas as características técnicas do manga são tão impressionantes que em faculdades de arte e desenho nos EUA, ele tem uma matéria chamada “Go Nagai”.

          Sobre sua frase:

          “E sobre analisar pelo feeling, já foi feito no podcast de Devilman, com LEVES críticas. Por exemplo, o Lucas disse que Go Nagai era “um gênio que nasceu sem talento”, para dizer isso algo de ruim ele tem que ter visto NO MANGÁ e não no autor; E ainda assim deu 10.”

          Acho que você esqueceu de alguns detalhes do podcast, porque ficamos 20 minutos explicando essa sentença. Como você deve saber, desenhar um quadrinho é algo completamente diferente de desenhar uma imagem individual. Ele não tinha muito “talento” para desenho se visualizarmos quadros individuais, mas ele é um dos melhores quadrinistas que já nasceu. Sua narrativa, e montagem de quadros é soberba.

          O que não pode acontecer é faltar o feeling. Não podemos ser um bando de robôs que leem um texto decorado que deixam de comentar impressões pessoais porque elas se desvirtuam da de outros membros do grupo, e muito menos ficar implicando com obras devidos a pontos insignificantes. Crítica é um equilíbrio perfeito entre análise e pessoal, mas se qualquer um dos dois for deixado de lado, a review perde sua mágica.

          Vou resumir algo para você que explicamos no podcast da próxima review. Existe uma diferença muito grande entre ser honesto e ser ofensivo. Teve um caso interno dentro do grupo que foi bem desagradável, não para os leitores, mas sim para os membros. Otoyomegatari, Real e Dorohedoro foram obras que tiveram opiniões divergentes dentro do grupo, sendo que alguns membros usaram linguajar completamente desnecessários ao falar das obras e foram completamente fechados a opiniões contrárias. Alguns membros não estavam conseguindo respeitar opiniões diferentes das dele, tanto de outros membros quando de leitores, independente dos argumentos utilizados. Não existe verdade absoluta na crítica, se a pessoa tiver argumentos é necessário que você respeito a opinião do outro, mesmo não concordando. Não é preciso ser prepotente e ofensivo para ser honesto.

          É claro que isso não se aplica a obras ridículas como Reborn. Iremos falar que o manga é uma merda flamejante, mas falar que todo mundo que assiste Reborn é retardado é algo ofensivo e desnecessário. Não é necessário ficar falando mal gratuitamente do trabalho de outros grupos para que os leitores vejam a qualidade do nosso.

        • O que você disse sobre o Nagai ser um grande quadrinista, foram argumentos parecidos com os que eu também usei em uma conversa com o Trilles. Inclusive eu disse na chamada do Skype que concordo plenamente com o Lucas que Devilman é um quadrinho de nível Vagabond. Berardo e Trilles que me corrijam se não foi isso que eu disse.
          Isso no fim do seu comentário ficou claro na sua resposta ao meu primeiro comentário, inclusive um dos likes nele é meu por ter explicado algo, pelo menos na primeira parte dele.

          Mas enfim, essa resposta ao Crive foi mais para explicar um pouco do meu primeiro comentário, que parece ter sido muito mal interpretado por estar entre comentários que criticam os posts recentes. Eu não havia citado nada sobre isso primeiramente.

          Ah! Também concordo que não pode faltar o feeling, o que seria a “comédia” no EMD sem ela? Só acho que argumentar e dar notas deveriam ser feitas seriamente. Mas novamente, essa é só a minha opinião.

        • Consideramos todas as notas recentes corretíssimas. E para falar a verdade, o que está errado são as antigas. Muitas estão erradas, até que o T Alguma rilles mandou tirar todas as notas dele porque não ele tinha que revisar muitas delas. Alguma nota te incomodou?

        • Nada me incomoda profundamente nas notas de vocês, afinal é o que vocês acham. No próprio podcast de Devilman sua nota, a do Crive e a do Thomás casaram bastante com o que disseram no podcast. Só achei estranho que o Lucas que achou essa “má qualidade”, digamos assim, deu um 10 e disse que é perfeito. Não digo que ele não poderia se explicar, só acho que deveria tê-lo feito no podcast.

          Pela terceira vez(acho), não é regra, é minha opinião.

        • Eu tenho quase certeza que respondi esse, mas digo de novo: Não me lembro do Lucas dizer no podcast o porquê da obra ser perfeita apesar de algum “erro” que ele veio a achar.

        • Na verdade ele fala de pequenos exageros na expressão dos personagens, mas que o manga é desenhado de forma tão fantástica que esse erro não interfere em nada nas emoções que a obra quer passar. Em sua totalidade sua arte é muitas vezes superior o diversas obras que anteriormente tiveram suas notas aumentadas devida a arte. O único erro citado é minimo comparado com todos os pontos técnicos impecáveis da arte dele, por esse motivo nenhum ponto pode ser retirado. Conseguiu entender agora?

          E você tinha respondido, mas honestamente, seu comentário estava deveras desagradável, ainda mais porque respondemos todos seus comentários, mesmo alguns deles não tendo nada a ver com o podcast. Eu vi como algo desnecessário e acredito que até mesmo você iria preferir fazer uma resposta nova.

        • Saquei, estava parecido com esse seu último parágrafo. Eu relevo porque eu nunca quis ser agressivo e acredito que você também não. Mas magoar leitores é contra a nova política do EMD, não? kkkkkk
          Desculpe a piada infame. Mas eu tinha que fazer.

        • Não acredito ter sido ofensivo em nenhum momento e se pareci agressivo me desculpo. E você sabe melhor do que ninguém que você não é mais apenas um leitor do site.

        • Por favor, me veja como leitor e ouvinte do site. Não “tomei lados”, se é esta a questão. Eu acompanhava, e ainda acompanho um pouco, vocês e o Mangatologia simultaneamente, acha que isso me abalaria? Eu tenho meu próprio jeito de pensar, e não mudará facilmente após entrar no novo site. Não limite sua opinião sobre mim por eu estar no novo grupo, você cairá no meu conceito se o fizer. ò.ó

        • Me desculpa, mas é sério que você está implicando com minha nota pelo fato de eu apresentar um detalhe da obra?
          Fiz um Melhores Páginas do Mês só sobre Devilmen e isso não é o bastante para mostrar a qualidade que vejo em sua arte.
          E sim citei no cast que isso era apenas um detalhe e que as qualidades da obra superavam facilmente isso. Se eu não puder dar 10 para um manga por causa de um detalhe então nunca mais darei 10 para uma obra, e também nunca direi que há qualidade na arte de um quadrinho, já que nunca houve um quadrinho que possua uma representação artística significante o bastante para ser comparada com obras de arte como Guernica.
          E pessoalmente falando, considero Devilman uma obra de arte em forma de quadrinho, por isso dei 10, e inclusive falo isso no cast.
          E mais se isso te incomodou, você nunca mais vai concordar comigo, porque consigo ver falhas na arte até mesmo de mangas como Blame, mas vou continuar elogiando a obra e dando 10.

        • Eu usei a sua nota de Devilman para exemplificar ao Crive que já foi dada uma nota pelo feeling:

          “E pessoalmente falando, considero Devilman uma obra de arte em forma de quadrinho, por isso dei 10, e inclusive falo isso no cast.”

          Não digo que você esteja errado e não foi o fim do mundo para mim, tanto que nem cometei isso no post de Devilman. Só disse que foi uma nota dada no feeling, exatamente como você citou aí.

        • Todos os pontos técnicos foram citados e repetidos durante o podcast. Na parte das notas não vamos ficar repetindo tudo novamente como faziamos antes, citamos nossa visão pessoal da obra, mas obviamente a nota engloba tudo. Se desse para resumir uma obra prima em uma frase não seria necessário fazer uma review. A nota é algo que mistura os pontos técnicos da obra com a experiência pessoal ao ler a obra. Essa é a característica que faz com que nenhuma obra de qualquer tipo de mídia tenha uma crítica absoluta e correta, e isso é um ponto em que estávamos falhando. Estávamos deixando de lado ou não respeitando a experiência pessoal que os membros tiveram ao ler a obra, e paramos de cometer esse erro. Você poderá ver isso no próximo podcas, onde eu e o Lucas damos 10 para uma obra que não tem erros técnicos, mas que o Gutinho deu nota 9 devido a experiência pessoal que teve ao ler a obra. Isso adicionou qualidade, opinião e visão a review.

          Todas nossas notas terão a mesma análise de pontos técnicos, talvez até melhores levando em conta os novos membros que entraram no grupo, a visão mais aberta da experiência de leitura, e aos cursos que tenho feito para poder melhorar minha análise crítica (eu precisaria fazer um de ortografia também, mas não tenho força de vontade para isso). Mas ao mesmo tempo, todas as notas serão influenciadas pela visão e experiência pessoal que cada membro do grupo teve ao ler a obra.

          ps: um exemplo simples disso é a minha visão de Braking Bad e a visão do Trilles. Eu considero a série uma obra prima, principalmente no ponto de vista técnico. Ela tem alguns problemas na narrativa mas seus pontos fortes superam de longe esses pequenos problemas. O Trilles acha a obra muito overated, preferindo a série 24 horas. Tem críticos que a considerarão a melhor séria já feita e outros não. Algum deles está errado? Não, porque todos virão as características técnicas da obra, mas se a experiência não for agradável, criticar algo apenas pelos pontos técnicos e ignorar a própria opinião é falta de honestidade consigo mesmo.

        • Ele só não foi publicado antes porque teve um membro que saiu do grupo que achava o podcast honesto demais e com pouca “crítica”. E mesmo hoje esse é um podcast fraco, mas ela deixou de ser publicado na época porque ela era honesto demais e pouco imparcial.

        • Opa! Citaram minha opinião de forma errada. Um segundo.

          Não liberava o podcast por achar que ele nunca foi uma crítica, mas um rage absurdo e sem fundamento, pois apenas você, Estupra, tinha lido a maioria das obras mais importantes apenas da CLAMP. O resto havia apenas seguido o rage. E algumas Você nem tinha lido por completo. Nunca por achar o podcast “honesto demais”. Honesto no grupo é algo que sempre fui e sempre defendi.

          Já que entrei no post, devo comentar sobre incoerências defendendo um pouco o argumento de Leo, com o qual concordo. Neste podcast nos únicos 30 minutos que ouvi falaram que não podiam fazer reviews agressivas e que poderiam deixar fãs chateados. Certo. Logo depois no próprio podcast usaram até mesmo uma citação do Regis Tadeu dizendo que algumas pessoas colocam importância demais no crítico, e por isso acabam se chateando. Ou seja, ele insinuando que o “culpado” no caso é o receptor da crítica. Ainda no mesmo assunto, e o cast da CLAMP, por que lançaram então? Foi na verdade comentado pelos leitores que foi o cast com mais rage desde Ômega.

          Logic, where are you?

        • A questão é simples. Não é necessário insultar os leitores ou outros grupos para mostrar como uma obra pode ser ruim. Se você tem problemas com uma obra, fale mal dela, não fique falando que quem gostou dela e escreveu tal coisa é um ignorante ou que os fans são burros. Ficar ofendendo outros grupos de reviews, scanlators, leitores e fans de forma gratuita e desnecessária era algo comum que não queremos fazer novamente.

    • Vou falar de forma resumida e direta. Deixaremos de ser prepotentes. Algumas reviews nossas foram muito prepotentes, faltando respeito até mesmo com opiniões de outros membros do grupo, como ocorreu na review de Real.

      Escute novamente o podcast, você provavelmente estava distraído. E como o Crive comentou, cheque nossas últimos posts e veja se faltou opinião honesta, crítica ou análise. Me cite apenas um.

      • O “novo EMD” que me refiro é o futuro, não posts recentes. Mas entendo o que disse.

        Tomei como base o podcast para definir o “novo EMD”, porém algumas partes me pareceram bem contraditórias… Talvez eu precise mesmo ouvir de novo.

        Mas uma ultima coisa, tudo que eu disse foi a minha opinião: O “antigo EMD” parece PARA MIM, um podcast mais honesto. Com certeza houveram exageros, mas sempre haverá enquanto colocarem sua opinião nisso. Na minha opinião estarão fazendo certo ao amenizar, mas sempre haverá…

  3. O que ‘tá acontecendo com o EMD? Eu pensei que as mudanças viriam pra melhor, mas reviews de Wake Up GIrls e Space… blá,blá,blá? Caras, vocês deveriam focar em ser um site sobre comics (que com certeza é o que fazem melhor do) com indicações de bons mangás e animes e deixar todas essas outras besteiras para lá.

    Ps: Retratação, sério?

    • Concordo. Não que os posts sobre Space Dandy e Wake up Girl sejam necessariamente ruins, mas eles deviam deixar pra fazer texto quando o anime terminasse como uma review completa, ou então só fazer texto quando tiver um episódio realmente muito bom.

      Eu prefiro que eles gastem o tempo de escrever reviews de só um episódio escrevendo reviews de obras completas e com mais conteúdo.

  4. Gente, acho que precisam ter calma com essa transição. É difícil pegar o ritmo com as mudanças na equipe. Em relação aos últimos posts, acho que alguns como wake up girls se estivesse assistindo eu gostaria de ter um feedback, e se eles estão comentando deve ser acima da média e assim que eu tiver terminado algumas coisas pretendo dar uma olhada neles. Confio na indicação do EMD.

    O problema das pessoas, é que são muito precipitadas e querem tudo na hora. Não culpo essas atitudes porque no mundo de hoje, o que é novidade hoje, amanhã já não vale nada. Eu estou pacientemente aguardando o EMD se reestruturar, e acho que os frequentadores do site acostumados com a boa qualidade estão reclamando, mas deveriam entender que todo mundo tem vida própria e que por mais que eles tenham decidido fazer o conteúdo do site, tem o direito de reorganizar, repensar o que está sendo feito e saber a opinião de nós que aos acompanham.

    Acho que deveriam pegar mais leve. E pra deixar pro final o meu feedback é: EMD tem que seguir o rumo que achar melhor e não se guiar por seus leitores, não que deva ignorar, longe disso, mas saber que a opinião nossa não corresponda aquilo que vocês devam realmente fazer. Se vcs estão apostando em outras coisas, vá em frente, nunca irá agradar todo mundo mesmo.

    Ainda não ouvi o cast, talvez se minha opinião mudar eu posto um novo comentário.

  5. Ouvi novamente o podcast, sim achei divertido. Como antes concordo com algumas coisas ditas; como quando Thomás fala sobre blogs que não concluem a crítica, ou quando o Lucas fala na sequência sobre algum podcaster que volta atrás deixando a qualidade da obra relativa ao público no fim do programa. Mas nada do pensamento que deixei nos outros comentários mudou. Tá que não foram 100% relacionados ao podcast, mas ainda é a minha opinião.

    • Respeitamos isso e o que podemos fazer é lhe trazer conteúdo. Se você está preocupado com o futuro, não posso discutir ele até que o mesmo aconteça. Você é um leitor frequênte do site, você comenta semanalmente nos posts de comentando, notícias, etc., mas raramente estava comentando nas reviews. A última vez que isso ocorreu foi no comentário de Beck:

      “Podcast comprido demais. Demorei muito para ouvir inteiro, ainda nem me lembro de tudo o que eu iria comentar aqui enquanto ouvia…
      Então só vou concordar com o Estupra e o Lucas que achei melhor a leitura do mangá do que assistir o anime primeiro, porque dentro do anime tem horas em que a música é muito bem colocada mas não é sempre, e no mangá a música é mais representada por sua mente mesmo e por isso é sempre bom.
      Eu acompanho muitas bandas underground curitibanas aqui e vou falar que a sonoridade realmente lembrou uma reprodução ao vivo, coisa que eu REALMENTE adoro, fator que pode ter sido melhorado pelo estéreo em que ouvi, muito bom.
      Esse mangá não chega nem no meu top 10, mas recomendo muito mais que alguns que estão.”

      Esse é um comentário que mostra exatamente uma parte do que desejamos fazer. A comparação entre a leitura do manga e assistir o episódio depende do sentimento e não apenas de crítica. Esse foi uma review que deu muito trabalho porque teve diversos momentos onde ficavam martelando em postos pouco relevantes ou insistiam no mesmo de forma excessiva. Mas o principal foi a sua frase final, recomendar uma obra não depende apenas de pontos técnicos, mas ele trás uma carga dramática ao leitor que a torna uma leitura mais fácil de recomentar ou até mesmo de apreciar do que muitas obras que tem notas superiores.

      Estávamos evitando passar opiniões pessoais, elas estavam causando discussões intermináveis porque teve membros que não conseguiam respeitar e aceitar opiniões divergentes, ele queria que todos pensassem igual. Isso era algo que estava minando diversas características do podcast. Como pode ver nos últimos, o que não falta é pessoal animado e com motivação para gravar, porque mesmo se as opiniões se divergirem, aceitamos pontos de vistas diferentes.

      • Admito que indiferente ao conteúdo, o carisma e a disposição do pessoal aí aumentou nos últimos podcasts.

        Agora para encerrar(finalmente XD), continuarei acompanhado, torcendo e comentando se possível. É verdade que estou preocupado com o futuro EMD, mas qualquer escolha sempre foi de vocês. Tudo que posso fazer aqui é deixar aquele feedback extremamente confuso do meu comentário e torcer.

        Uma curiosidade um pouco irônica, estou relendo Beck e a arte está me incomodando muito. kkkk

  6. Vou falar apenas do cast, já que parece que o povo aqui está mais preocupado com a situação do EMD.
    Quero dar os parabéns pro Crive que foi o mais conciso e direto ao ponto. O Lucas e o Thomás se perderam em suas ideias ao meu ver. O embasamento do Crive foi muito interessante, só queria acrescentar a questão da conduta e da ética e visão de ser humano, que não cabe tanto assim só na idade. Acredito que grande parte dos frequentadores de fóruns de animes e mangas não tem vida fora da internet, e de hqs no Brasil especialmente é um público menor e menos fervoroso, não por conta da idade somente, mas acredito que as constantes febres montadas pela mídia tem tornado o público arredio a mudanças. É tudo muito montado. Cantores, atores, animes, filmes, hoje muitos seguem a típica receita que faz sucesso e não diversifica deixando o público abitolado, e como muitos tem preguiça ou não tem tempo de procurar algo pouco conhecido, ficam nas modinhas.
    A conotação da palavra critica foi demonizada ao extremo. E o pior de tudo, o público está cada vez mais fechado a mudanças e fica satisfeito com as receitinhas prontas de sucesso e não teria nada demais nisso se a internet não fosse um canal onde essas pessoas defendem tais obras de forma ridícula, ao ponto do puro fanatismo e não aceitarem sequer uma piada sobre sua série favorita.
    Acho que a mídia está montando pequenos monstros imbecis sim, sem discernimento e senso crítico e nós estamos sofrendo com isso. Vocês as vezes pegam pesado, nada que um pedido de desculpas depois não resolva. O problema é que com tanta gente em cima de vocês, parece que o EMD está receoso em fazer uma critica e ser atacado. Todo mundo pode gostar de algo que é taxado de ruim, cult, bobo, retardado, e sei lá o que mais e tbm gostar de outras coisas ou não, mas não tem o direito de atacar alguém por conta disso, acho que falta respeito.

    Por exemplo, no meu caso, vocês falaram mal de algo que eu gosto (Clamp) e nem por isso eu xinguei vocês porque muito do que vocês falaram eu concordo, outras não, dei meu ponto de vista e como vocês colocaram no cast, a visão de vocês sobre o grupo agregou valor pra mim. Eu vejo animes e mangas pra me distrair, pq eu gosto, simples assim. Mesmo que seja taxado de porcaria se eu gosto eu não poderei fazer nada. Naruto acabou pra mim depois de vários problemas, nem por isso eu fico falando pros meus amigos pararem de ver e assistir algo “melhor”. Pra mim não é proibido criticar, é proibido faltar com o respeito e o bom senso, algo que falta há muito fã de anime/manga por aí. Falta maturidade nessa galera e aprender que uma critica não é o fim do mundo. Vlw EMD, gostei muito do cast.

    • Concordo com sua opinião, mas quanto ao fato de estarmos receosos, isso não é bem verdade, o que ocorre é que agora temos consciência de que ofendemos de forma desnecessária algumas obras, pessoas e sites. E por isso estamos sendo cuidadosos com o conteúdo que laçamos, não só para melhorar a qualidade, mas para não cometer o mesmo erro novamente.
      E só uma coisa, você falou que tento eu quanto o Thomás nos perdemos um pouco, gostaria que se possível, você disse-se o porque disso, para que possamos melhorar no próximo.

      • Acho que fiz uma escolha infeliz na hora de escolher a palavra: receosos não era bem o que eu gostaria de descrever, só que na hora foi isso que me veio a cabeça, eu escrevia enquanto ouvia o cast pra colocar tudo o que eu gostaria de dizer e nem revisei depois, não repetirei esse erro.
        Me expressei mal, eu queria dizer que em relação ao Crive, vocês não conseguiram ir tão bem quanto ele na colocação que queriam passar, vocês deram o recado, mas ele soube ir direto ao ponto, quis falar nesse sentido. Muita coisa que vocês disseram foi interessante, só que desta vez o Crive soube passar melhor. Isso foi culpa do corretor do ipad que exclui algumas coisas de vez em quando.
        E complementando, gostei do melhores e piores, acho que é a primeira vez que ouço então não posso dizer se é melhor que o outro formato, mas gostei sim.

        E sempre esqueço de falar que eu curto as colocações do Lucas sobre arte, é bom ter alguém que realmente vivencia um pouco do que um mangaká de verdade passa. A parte em que fala de vagabond ter capítulos com poucos ou nenhum balão de fala, só mostra como arte é importante pra um manga.

        Eu gostaria de ter mais tempo pra me dedicar a leitura de mais obras, uma pena o trabalho e a rotina tirar quase todo o tempo livre. O EMD é um dos sites com melhor conteúdo que já encontrei, a qualidade é acima da média. Parabéns pelo trabalho.

  7. Só comentando pra dizer que eu dou meu apoio nessa mudança do EMD, concordo totalmente com o Estupra, alguns membros não aceitavam outros pontos de vista de jeito nenhum até mesmo em discussões nos comentários. E também sempre achei desnecessário ficar ofendendo outros grupos e fãs de certos mangás.

  8. Só consegui ouvir o podcast hj, msm com o feriadão ae, foi meio difícil, mas vamos lá.

    Comecei a curtir, seguir o trabalho de vcs no final do ano passado e de fato, reparei que em alguns momentos vcs eram bastante agressivos (se assim possamos dizer) com quem/o que vcs criticavam. Essa nova fase, formação de equipe aparentemente mudou bastante isso, da até pra sentir que o ar está mais leve.

    Quantos as criticas. Como foi dito no podcast, de fato creio que elas sejam necessárias justamente para a evolução. Concordo até com uma vinheta q vcs colocaram “as pessoas andam tão bunda moles que qualquer coisa as ofende”. Caramba cara, a maioria das pessoas quando vc critica algo não para 1 mísero segundo pra raciocinar se o q vc disse tem sentido ou não. E infelizmente, vejo muito isso nos chamados “otakus”… o raça desgraçada, principalmente a galera retardada que se veste basicamente de preto (msm morando num país climatizado pelo capeta) e vai nesse eventos de bosta (desculpa caras, sei q com essa fase nova vcs estão tentando “criticar” o minimo possível, mas esse caso… é complicado.), achando q são seres superiores só pq vêem animes e não novelas… sério, dá raiva só de falar sobre isso, mas oks. A questão é, como já dito, se nada for criticado, continuaremos na mesma. Mas claro, tendo em vista sempre que a critica é a opinião de alguém, que não necessariamente esteja certa, ou se estiver, não quer dizer tb q a sua opinião por ser diferente esteja errada. Sempre ouvi os podcasts de vcs tendo isso em mente tanto que, ainda acompanho Bleach, sei dos erros, das falhas, mas é uma obra que ainda me atrai, me diverte (em especial a arte do bastardo do Kubo, msm sendo o mestre do fundo branco, o cara tem de um traço, na minha opinião, muito bom).

    Quanto a diversidade das obras que a gente lê… creio que sejam duas situações.
    1ª – O que nós é oferecido, vc vai lá, chega no site da scan e vê as obras mais baixadas, comentas, muito provavelmente vc irá segui-las (a não ser que seja um câncer obvio, mas msm assim talvez vc ainda perca um pouco de tempo por estar se iniciando nesse mundo). Assim, vc acaba não conseguindo, não se interessando por coisas diferentes do tradicional.
    2ª Mentalidade e Tempo Livre – Querendo ou não, é mais facil vc com 13~14 anos (tanto faz, desde que seja um adolescente “comum”) gostar de Naruto do que Monster. Mas ai, vc vai crescendo e sua mentalidade vai mudando. Então vc faz 18 e começa a gostar de Seinens, e procura mais coisas boas pra ler… só que vc já tem 18 e ou tem que fazer uma faculdade ou arranjar um emprego (eu me encaixo no primeiro caso, e já estou com 20) e ai vc vê seu tempo livre ser totalmente consumido, não só pela escolha já citada, mas tb por outras situações, vc desenvolve outros hobbies (leitura de livros, esportes, cinema, tanto faz), vc desenvolve uma vida social mais ativa e ai o tempo pra sair e procurar coisas novas, se torna muito mais escaço. Cito meu exemplo, fazendo faculdade de engenharia, além de ler mangás, curto série e filmes, além de sair com meus amigos, ter uma vida social saudável (acho kkkk’) e procuro sempre que possível ler coisas novas e boas, mas como já disse, o tempo é escaço e até hj não consegui ler Punpun, Vagabond, Monster, Sandman (só alguns exemplos, por favor não me apedrejem).

    Acho q até hj não tinha lido/ ouvido nenhum “Melhore e Piores”, mas gostei desse jeito que vcs fizeram, ficou bem legal essa proposta.

    Finalizando, mas não menos importante, curti bastante o podcast, vlw.

  9. Pingback: EMD Cast #155: Adaptação | Ecchi Must Die!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s